8.4.08

P.416: Persepólis

Na minha memória cinéfila, um filme ocorre no topo das obras com este perfil: A Vida é Bela, de Roberto Benigni. Ontem, porém, aventurei-me no campo da animação com uma proposta surpreendente e de grande qualidade a este nível: Persepólis.
A história tem tudo para revelar tragédias pessoais e colectivas do povo iraniano, uma vez que percorre a infância e adolescência de uma jovem que cresce durante a Revolução Islâmica. Mas o filme nunca procura a comoção fácil, na senda de uma moda que, na literatura, vem fazendo proliferar e vender histórias do mundo muçulmano no feminino. E é justamente pelo humor, pelo ritmo, pelo recurso a efeitos especiais de animação, de aparência muito simples mas de grande efeito narrativo, que ele atinge o equilíbrio.
Construído a partir da Banda Desenhada original de Marjane Satrapi – também personagem principal –, assinam a realização Vincent Paronnaud e a própria Marjane Satrapi.
..
O mesmo filme, um outro olhar.

2 Comments:

Blogger Irene said...

Concordo com a tua análise, que prima pela apresentação sucinta e substancial da narrativa.
Acrescentava:
- a banda sonora que acompanha os momentos dramáticos do filme, restituindo-lhe a leveza necessária para evitar excessos de emotividade por parte do espectador;
- as imagens que oscilam entre o realismo da história e o imaginário preenchido pelo movimento suave.
A tua referência ao filme «A Vida é Bela» é muito propositada.
Um excelente filme!

abril 08, 2008 11:01 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Irene

Obrigada pelo teu complemento enriquecedor, com que concordo inteiramente.

abril 08, 2008 11:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home