31.5.07

P.303: No que depender de mim...

A vida corre se o que a faz mover depende só de mim. Gosto daqueles dias em que, volvida a manhã, tenho já a sensação plena do tempo útil. Gosto de encher pedaços de papel com lembretes de tarefas a executar e de ir “dando baixa” dos deveres cumpridos.
É quando as coisas dependem da interacção com os outros que elas se complicam, emperram, avolumam, pesam. É difícil adaptar ao ritmo alheio, sobretudo quando ele prima por uma desesperante lentidão. É penoso negociar ideias, gerir tempo, aceitar prioridades diferentes, atrasar o passo ou, pelo contrário, viver ansiedades evitáveis. Mas tudo isso se encontra e nos condiciona em família, no trabalho, no quotidiano dos serviços… Se a coisa é prometida para o dia seguinte sem falta e se escoam oito dias sem cumprimento, fico doente!
A dificuldade amplifica-se se o papel é de líder desinvestido da necessária autoridade, como tantas vezes acontece em estruturas intermédias de chefia da função pública. Responsabilidades sem poder é que nem triste escalada do monte das Oliveiras… E quantos não andarão carregando essa cruz?

4 Comments:

Blogger aDesenhar said...

eu.

desde o dia 10 de Abril. que não ponho os pés as mãos e a vista no meu gabinete

junho 02, 2007 2:30 da manhã  
Blogger aDesenhar said...

2.
eu.

desde o dia 10 de Abril. que não ponho os pés as mãos e a vista no meu gabinete.
olho para os teus lembretes (gargalhada) e lembro-me dos meus. talvez cheios de pó. secretária com os habituais 3 montes. o da direita são os projectos a executar. ao centro os pendentes e à esquerda os recicláveis.
quando me lembro destes últimos, chego à conclusão de eu precisar de uma reciclagem!
não sinto grande vontade de regressar à uma pocilga.

cá vamos sim ...

mas carregando um grande melão.

bjs

junho 02, 2007 2:36 da manhã  
Blogger kermit said...

Hoje também não consigo imaginar o meu dia de trabalho, sem um check-list de tarefas, que vão sendo picadas à medida que se cumprem. Os americanos têm uma máxima com a qual eu concordo por inteiro. “ Planear não é nada, ir planeando é tudo”. Refinar o planeamento do trabalho, mesmo durante o tempo em que o executamos, melhora-o de sobremaneira. Boa Semana

junho 03, 2007 11:15 da tarde  
Blogger Irene said...

excelente post! alguém que me entende!
mas há um exerc´cio que é preciso desenvolver sob pena de nos desgastarmos à toa: quando passamos os portões do local de trabalho, é a nossa vida que deve tomar lugar. Ter consciência que podemos ser bons profissionais sem stress, sem ansiedade exige um exercício mental diário! Um conselho: quando saires: respira fundo dá uma volta e faz uma coisa que te dê prazer! quando te sentares a fazer o trabalho de casa, vais ver que corre melhor. Não podemos deixar que as circunstâncias nos controlem mas antes o contrário.
bj

junho 05, 2007 12:23 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home