12.12.06

P.140: Crónica de um Natal antecipado!

Por razões particulares, o Natal este ano talvez seja diferente. E talvez por isso, deu-me para antecipar reflexões e folhear velhas crónicas conhecidas à procura de passagens que, certo e sabido, me fazem chorar. Não há masoquismo algum nesta procura. Chorar é algo que faço terapeuticamente, com regularidade. E menos custa ainda, se às lágrimas das saudades irreparáveis se vêm juntar este ano algumas de muita alegria!
A verdade é que, à volta das reflexões de certo escritor transmontano sobre a roda que gira e vai fazendo calhar, a cada geração, o tempo de ser lar de acolhimento do Natal familiar (1) , acordei o velho sonho!
A casa é provavelmente velha, é de certeza ampla, simples, confortável. Assim a queremos e a fazemos, a dois, para que seja lar dos nossos, ponto de passagem e de estada, procura de sossego, de descanso e liberdade. Os nossos são a família, em todos os graus de parentesco, mas também os amigos, os que vêm por nós, os que vêm porque falta o dinheiro para ir a outra parte, os madrugadores, os noctívagos, os amantes das caminhadas, os frenéticos, os apáticos. Garantimos uma vista de rio, mais ou menos próximo, roupa de casa lavada e perfumada, sempre algo que comer, ainda que frugal, um bom vinho para engolir a poeira dos caminhos e o espaço, físico e outro, que cada um precisar tomar.
Há uma mesa rectangular, na cozinha, comprida, de bancos corridos, onde cabe sempre mais um. Há um fogo aceso e um calor de gente. Fizeram-se as receitas de uns e de outros, mesmo aquela aletria que só o avô comia, o arroz doce da avó que costuma sobrar na travessa e as menos tradicionais de uma amiga que aproveita a quadra para inovar. É Natal e estamos juntos….
(1) Referência à crónica de Natal Ano Novo, Vida Velha, de A. M. Pires Cabral

5 Comments:

Blogger Irene said...

Mas que ideia fantástica!!! Apesar de, actualmente, o Natal não significar nada para mim, por razões várias, é com imensa alegria que encaro esta iniciativa. Não queres continuar no Fim de Ano?! :) Bjs

dezembro 12, 2006 12:53 da tarde  
Blogger Carlos Sampaio said...

Está bonito e Tormes não parece mal... :)
(talvez somente esvaziada um pouco de bugigangas)

dezembro 13, 2006 3:34 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Irene

Tratando-se de um sonho, antigo e persistente, creio que continuará até e para lá do Fim de Ano!... :-)

Carlos

:-)
Não é Tormes, é casa de quinta num Douro aqui mais próximo. Não visitei por dentro, mas gostei da trepadeira de vinha virgem.

dezembro 13, 2006 4:10 da tarde  
Blogger bettips said...

Mas ...isso é um sonho...??? Existe?

dezembro 15, 2006 11:18 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Bettips

O descrito existe em mim, em sonhos de diversas formas sonhados, há muito tempo... :-)

A fotografia é da Quinta da Casa Amarela, perto da Régua, onde se faz enoturismo.

dezembro 15, 2006 11:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home