30.7.08

P.441: Finalmente, em honra de Magalhães



Um dos (se não “o”) maiores navegadores de todos os tempos não teve até ao presente direito a grandes honrarias: nem casas, fundações, museus (Sabrosa destinou-lhe recentemente um espaço), muito menos a projecção de um filme (veja-se a quantidade de Colombos, por bem menos…).

Mas os ventos mudam – como ele bem sabia – e uma homenagem chega hoje cheia de uma insólita graça: “Magalhães” serão os computadores portáteis produzidos no país para a navegação dos pequenos portugueses que querem tornar-se grandes…

A eficácia da medida será discutível, os seus custos excessivos, as prioridades de gasto mal estabelecidas… Talvez. Fica, no entanto, a consoladora ideia de uma homenagem com um significado bem próximo do que foi esse navegador persistente e pragmático: uma ferramenta de trabalho a abrir caminhos por mundos desconhecidos… Melhor assim do que prender-lhe a memória em estátuas. Gostei.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Gostaria apenas de deixar uma "nuance" a este texto, dada a grande relevância que é dada a magalhães. Em primeiro lugar enquanto sabrosence sei, in loco, que a nossa casa onde se supõe que o Fernão de Magalhães nasceu é privada, mas se se marcar pode-se visitar, logo é mais ou menos um museu... Em segundo lugar na praça do municipio, frente aos paços do concelho está uma grande estátua do fernão de magalhães... Em terceiro, e é verdade, temos um grande museu interactivo a ser adjudicado para ser construido a breve prazo! Agora onde eu quero chegar é que como sabe o seu local de nascimento é ainda incerto, (ou não, digo eu!) dado ainda haver outras localidades a disputar connosco a sua nascença... Assim é dificil de homenagear sem haver uma liderança nesse campo!! Por exemplo, os governos das filipinas e chile têm t~em vindo aqui para lançar grandes iniciativas, que acabam sempre embargadas dada a incerteza da questão... a unica homenagem que lhes foi permitida fazer foi ao governo do chile por uma placa nas tal casa a dizer aqui se presume ter nascido Fernão de Magalhães... Assim é dificil, não acha?!

agosto 02, 2008 2:29 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Sei, por testemunho pessoal e por ter lido «Nos passos de Magalhães», de Gonçalo Cadilhe, algumas das coisas que diz. No entanto, é minha convicção que a figura de Magalhães tem uma importância histórica universal que deveria ultrapassar em muito a homenagem como "filho da terra". Não é, portanto, de maneira nenhuma, uma crítica a eventual falta de apreço dos sabrosences.

agosto 02, 2008 2:47 da tarde  
Anonymous http://sol.sapo.pt/blogs/oserrano/default.aspx said...

Olá Maria Manuel:
Por aqui passei, navegando meio "à bolina" na ânsia de descobrir terras ou sementes àcerca deste Douro, ou deste Concelho, que é também meu!
E, vem-me o magalhães, ( sim, está bem assim com letra pequena!)
Porque, ensinou-me muito especialmente a Universidade da Vida que sem ver não crer.
Pessoa ligada às vicissitudes da vida já lá não vai, a troco de uma bagatela.
Descobrirá, por si, que honro a memória dele enquanto natural do Burgo ( sem que faça muita questão de entrar numa situação de partilhas, mais para vender jornais que outra coisa).
Gosto particularmente do vinho branco que adoptou o nome do Navegador.
Mas, acho caricato toda esta pafernália de gente que se põe "em bicha" para dizer que o Homem é daqui ou de ali!
Onde estáveis Senhores, distraídos na história ou Notáveis Quase Sem Querer?
Repito o que escrevi algures.
No tempo dele, também foi muito disputado, quando se soube que era possuidor de uma grande fortuna, pelo façanha que havia feito!
Antes disso, porém, foi declarado traidor e a sua família enxovalhada!
Servirá para algo esta minha divagação?
Abraços respeitosos da Serra

agosto 05, 2008 1:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home