19.11.05

Página 29: Dança Contemporânea

a propósito de «MEMÓRIAS DE UM SÁBADO COM RUMORES DE AZUL»

(Companhia Paulo Ribeiro)

Não procures um caminho. Descobre o sentido a cada retalho. Entrega-te à beleza da expressão da harmonia, do desencontro, da violência, da indiferença, do desespero, do oportunismo, da loucura, da razão, coincidentes ou discordantes, colectivos ou individuais. Gesto simples, ginástica rebuscada, pirueta, salto, corpo que arrasta, corpo que vibra, corpo quebrado, corpo hirto. Esgar de gozo, rugas de dor, riso, placidez. A vida é feita destas intermitências…

2 Comments:

Blogger sem cantigas said...

o prazer de ver e de ouvir, ser espectador, ser encantado :-)

novembro 19, 2005 7:34 da tarde  
Blogger douglas D. said...

caminho algum que não aquele escrito pela própria carne, no próprio corpo em sua máxima delícia - o corpo rompendo o seu limite [algo muito além daquilo que chamam de alma] sim, as intermitências nossas de cada dia. já!

novembro 20, 2005 3:57 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home