26.2.07

P.193: Razões para perder a cabeça

Pequena curiosidade histórica.
Acontece a qualquer um perder a cabeça. Mas convenhamos que com as estátuas da Antiguidade a tendência é muito acentuada.
Sempre pensei que fosse questão de fragilidade: região cimeira, pescoço delgado… Mas não é só! Que me desculpem os vigários se pareço tentar ensinar-lhes o Padre Nosso, mas para aqueles que se mantêm na ignorância em que eu estive até há bem pouco tempo, direi que há uma outra razão de peso. É que muitas das estátuas eram esculpidas sem cabeça. Deixava-se o pescoço rematado de forma a poder levar, depois, a cabeça de quem mais conviesse, de quem estivesse no poder na altura, do glorificado pela campanha, de quem encomendasse… E quando cessasse o poder, o dinheiro ou a glória, o mesmo corpo, de envergadura e formas disfarçadas pela toga ou pelo vestido pregueado, podia bem ser decapitado do rosto do defunto ou deposto e ganhar a cara de novo afortunado. Simples economia e pragmatismo.
Assim se explica que muitas estátuas tenham chegado até nós em estado de boa conservação, mas separados, e por vezes mutuamente perdidos, a cabeça do tronco e membros.

7 Comments:

Blogger adesenhar said...

estamos sempre a aprender!

só agora entendi porque algumas das estátuas têm os corpos parecidos, com traços belos e atléticos!
estamos então perante um embuste da época! ou sei lá o quê! se bem que as razões para perder a cabeça se adaptam aos tempos que correm!

:-)

fevereiro 27, 2007 12:33 da manhã  
Blogger bettips said...

Mas que curiosa ideia, nunca a soube! Obrigada pela tua douta explicação, perfeitamente integrada nos modos vários da Antiguidade. Quanto à menina dos dois brincos na mesmo orelha, estou a ver e a rir. Bjinho

fevereiro 27, 2007 8:58 da manhã  
Blogger Déjàvu said...

Tantas razões para perder a cabeça!!!!!!! :-)
"A razão das coisas"

Olha queres ensinar o padre nosso ao vigário ou quê?

***

fevereiro 27, 2007 1:18 da tarde  
Blogger -pirata-vermelho- said...

---fora de contexto---
Apesar de tudo
veja(-se)
http://sempenisneminveja.weblog.com.pt/arquivo/2007/03/professor_titul.html#comments

março 01, 2007 12:07 da tarde  
Blogger Belzebu said...

Tem graça que tal nunca me tinha ocorrido. Pensava que fosse provocado por coleccionadores de arte sem escrúpulos, ou simples desgaste do tempo!

Mas realmente esta explicação faz todo o sentido, tal era a instabilidade na antiguidade e demonstra uma visão muito pragmática do negócio.

Saudações infernais!

março 01, 2007 1:03 da tarde  
Blogger Carlos Sampaio said...

Antes do "pronto a vestir" já existia então o "pronto a encabeçar"!

março 01, 2007 3:25 da tarde  
Blogger M. said...

Que interessante, não fazia ideia.

março 02, 2007 5:18 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home