27.3.06

Página 79: Mestre


Tempo!
Não ensines só a fuga!
Deixa aprender
A calma indiferente
Da espera?…
Habitua
À escorrência incerta
Do teu fluir,
Às correrias
Com que passas
E às paragens
Com que regulas
O fôlego
Da coragem!
Muda-nos, mas leva
A memória incómoda,
O desejo que não pudermos saciar!

Tempo!
Antes de esquecidos,
Ensina-nos a esquecer!...

6 Comments:

Blogger Elipse said...

enganas-te.a memória é a que mais permanece, não lutes contra ela. para a esqueceres, trá-la à superfície, mas tens de ser tu.
e... está muito bonita a tua composição.

março 27, 2006 12:19 da manhã  
Blogger antimater said...

de tempo, só humano;
de memória, o divino,
desejo, a essência, que saciado não o é!

comecemos pelo princípio: pelos conceitos.
(embora o mais importante seja a procura...)

.o)

março 27, 2006 5:54 da manhã  
Blogger antimater said...

Do texto, gostei muito!
Quem é o autor(a)?

:o)

março 27, 2006 6:05 da manhã  
Blogger -pirata-vermelho- said...

Ando com um pensar transmontano!
No tinto do Vale de Pradinhos e no aeródromo de Bragança. Pelo requinte de sabor do primeiro e pela empolgância da viagem ao segundo. Pela singeleza de mentalidades, em terceiro.
Ando também com um pensar leviano.
De viagens ao mundo sem fim. Pela evasão simplista ou em procura do outro, mais fácil, que há em mim. Aparências que invariavelmente me repõem num lugar atípico de cidadão especulativo e apoquentado. Também apoucado; pelo desenrolar de impunidades a que nos sujeita a pública inversão dos papéis.
A governanta não era aquela senhora cheia de responsabilidade e muito consciente da sua missão e do seu lugar lá em casa? Era! Era escolhida para governar e governava. Nela se depositava grande confiança e dela se tinha, em contrapartida, o apreço merecido. Tornava-se frequentemente uma amiga, como se fosse da família.
Referências um tanto provincianas e distanciadas...

Por cá, o desfile de modelos eróticos é mais feérico e deslumbrante. Dos propriamente ditos, na publicidade e na moda, aos galantes governantes, que parece terem esquecido a quem deveriam mostrar serviço competente. Acham-se porém com ‘cargos de chefia’; dignos de escolta...
Os governantes são o modelo picaresco da sua própria deturpação e de uma política, consolidada, oportunista e invertida, que se queria industriosa nos intuitos, equitativa nos preceitos e corajosa nos momentos. Nunca se tornam amigos! Nem de si próprios; atormentados por inúmeras tropelias arrivistas, pela sombra de impotências várias e auto-apunhalados nas costas, num acto de contorcionismo grotesco.
Ou seremos nós, senhorios, que não sabemos designar e vigiar a tarefa de quem escolhemos para governar a casa? De facto, deste lado, nem um vislumbre de consciência do abuso de confiança ou da usurpação de lugares; nem um resquício de reflexão e de inventividade. Tudo terra-a-terra, na alegria sintética e triunfalista de uma pequenez compulsivamente disfarçada de abundância!
E com que sacrifícios!... De gerir a vidinha suburbana, a ida semanal ao cinema, a mensalidade a pagar, a imagem a manter, o ginásio, o supermercado, o carro novo, a fatiota, a mota d’água! Como se por aí passassem as condições da salubridade mental...

Em resultado da implantação massiva de uma atitude íntima acrítica, não se discute hoje a consistência do modelo – nem a sua aplicação imediata – não se discute a estética da atitude pública – nem a sua função intrínseca – e não se discute a fachada das arquitecturas – nem a sua radiante mediocridade. Não se discute nada! Por falta de tempo. E de alento.
Nestas condições, a genérica imitação de modelos epistemológicos importados apressadamente só o pode ser ‘por baixo’. Tanto porque, sendo produzidos por delegação e em grande quantidade, são mais baratos, como porque, sendo de discurso imobilizado e repetitivo, são mais viáveis e frequentes.

O Clube Grand Avenue -os que o enformam- encabeçados por políticos, manequins, futeboleiros, polichinelos de ventríloquo e outras estrelas de ocasião, perpetua assim o seu encanto na vacuidade folclórica, lasciva e violenta dos variados figurinos que nos impinge, indiscutivelmente aceites como suporte de um estado-feira-popular.

março 27, 2006 4:00 da tarde  
Blogger Spitfire said...

O tempo passa... mas há coisas que não se esquecem (era bom... poder esquecer... apagar simplesmente essa parte)... para esquecer é preciso aprender a viver.

março 27, 2006 8:05 da tarde  
Blogger sem cantigas said...

mestra!

(estes dois últimos post são daqueles recados para o interior? exercícios de autodisciplina? conheço...)

março 28, 2006 8:14 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home