23.3.06

Página 78: Fatalismo ou experiência de vida?

Há mais de vinte anos que conheço estas palavras. Tenho-as relido muitas vezes, a espaços mais ou menos longos. Hoje a leitura repetiu-se e, de repente, reparei que se tinham enchido de um novo sentido para mim, cheio de concordância. E a crítica social de Eça, cuja actualidade reconhecia em abstracto, particularizou-se numa caricatura individual, não ainda do que sou, mas do que provavelmente (fatalmente?) virei a tornar-me! Talvez seja, afinal, apenas uma questão de sobrevivência.

«Riram ambos. Depois Carlos, outra vez sério, deu a sua teoria da vida, a teoria definitiva que ele deduzira da experiência e que agora o governava. Era o fatalismo muçulmano. Nada desejar e nada recear... Não se abandonar a uma esperança — nem a um desapontamento. Tudo aceitar, o que vem e o que foge, com a tranquilidade com que se acolhem as naturais mudanças de dias agrestes e de dias suaves. E, nesta placidez, deixar esse pedaço de matéria organizada que se chama o Eu ir-se deteriorando e decompondo até reentrar e se perder no infinito Universo… Sobretudo não ter apetites. E, mais que tudo, não ter contrariedades.

Ega, em suma, concordava. Do que ele principalmente se convencera, nesses estreitos anos de vida, era da inutilidade de todo o esforço. Não valia a pena dar um passo para alcançar coisa alguma na Terra — porque tudo se resolve, como já ensinara o sábio do Ecclesiastes, em desilusão e poeira».

Eça de Queirós, Os Maias - Episódios da Vida Romântica

11 Comments:

Blogger -pirata-vermelho- said...

é o eça e é dos maias...
espreita lá o que sugere a csd em
http://www.hasempreumlivro.blogspot.com/ ?

março 23, 2006 11:04 da tarde  
Blogger -pirata-vermelho- said...

no retrato vê-se a serra da tua terra?

março 23, 2006 11:06 da tarde  
Blogger -pirata-vermelho- said...

...tá cheia de cicatrizes, também.

março 23, 2006 11:07 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Sim.Também.

março 24, 2006 2:06 da tarde  
Blogger Carlos Barros said...

a vida é feita de quedas...precisas de comprar uma joalheiras um,a scoptoveleiras...e umas caneleiras a ver se minimizas as coisas...

beijo

março 24, 2006 7:09 da tarde  
Blogger -pirata-vermelho- said...

... uma pessoa perde-se, na imensa liberdade desta montanhia ali ao lado ao longe! não é?

março 24, 2006 8:09 da tarde  
Blogger sem cantigas said...

cá pra mim encomendaram-te o sermão...

março 24, 2006 9:41 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Nada! Tomara que o sermão estivesse aprendido, a teoria interiorizada e a prática seguisse tranquila... com ou sem investigação sobre se o fatalismo é ou não "muçulmano"...

março 24, 2006 10:51 da tarde  
Blogger sem cantigas said...

pois assenta-me bem a carapuça
:-)

março 24, 2006 11:25 da tarde  
Blogger antimater said...

(com licença...)

Bem, bem... Contudo a obra do próprio Eça é um sublime (e contundente) manifesto de indignação.

Ela aí está: viva, pujante, repleta de passos decididos!...

...
A mensagem fica portanto equívoca...

Quanto aos muçulmanos: pobre da cultura Ibérica (...) se não contasse com islâmicos e judeus!
(a uns e outros se agradeceu como se sabe...)
.o)

março 26, 2006 8:50 da tarde  
Blogger JL said...

Há muita verdade nas palavras queirozianas. Mas, ainda assim, e sabendo nós que o pó da terra tudo há-de resolver, vamos cruzar os braços e esperar?
Não me parece que seja mulher para isso. A luta continua. Até ao fim!

Um beijo

março 26, 2006 11:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home