15.4.06

Página 84: Paz


Há momentos assim, em que a solidão é comunhão e a paisagem, esta, estranhamente, é velha conhecida, grande amiga…
Há momentos assim, de tranquilidade de fim de tarde, de fim de missão, de interregno de obrigações, em que estando todos bem, entregues a si, aos seus outros e esquecidos…
... posso pousar o olhar tranquilo neste mar que me traz outras vidas, não sei se sonhadas, se vividas.
Há momentos assim, em que sou outra, diferente de mim.

5 Comments:

Blogger sem cantigas said...

e em que é impossivel não sorrir...

abril 15, 2006 10:30 da tarde  
Blogger Elipse said...

Momentos bons! Pena que depois tenhamos de regressar!

abril 16, 2006 5:24 da tarde  
Blogger  said...

Gosto muito da fotografia! Tem muito a ver com o texto

abril 16, 2006 7:58 da tarde  
Blogger antimater said...

Somos múltiplos. Seremos?
Num de nós habitam também os outros. Habitarão?
Quando nos estranhamos somos esse outro fora desses múltiplos. Seremos?
Se soubessemos o que somos deixavamos de o ser. Deixaríamos?
Somos "auto-complacentes".
Sim somos!

Desejo-te sorte "para ti".

;o)

abril 17, 2006 5:32 da manhã  
Blogger Belzebu said...

São momentos como esses que me dão a paz que necessito para gerir o meu inferno!

Concordo que não há de todo solidão quando há comunhão com a paisagem! E como somos priveligiados em Portugal. Tropeçamos diáriamente em pequenos paraísos que por vezes nos escapam!

Saudações! ehehehe!

abril 17, 2006 4:18 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home