21.8.05

Página 3: Amputação

Deusas
de barro
Moldáveis
moldadas
Na forma
dos homens.
Damo-nos
e depois…
Ficamos
amputadas
Sangrando
água
Petrificadas,
disformes
No molde
impossível.

7 Comments:

Blogger lobices said...

...mas não esmoreças pois o molde é sempre viável...
:)*

agosto 22, 2005 5:52 da tarde  
Blogger Carlos Barros said...

amputar, desafiar, regressar, dosear e divertir...uma forma...
beijo

agosto 22, 2005 6:50 da tarde  
Blogger Vênus said...

Bom sentir teu regresso...na minha casa e na tua!
Um Beijo!

agosto 23, 2005 2:33 da manhã  
Blogger Carlos Sampaio said...

De tantas vezes ter dormido
Com a minha solidão
Ficamos quase amigos
Uma doce habituação
Ela não me abandona nunca
Fiel como uma sombra
Segue-me aqui e acolá
Pelos quatros cantos do mundo

Não, eu nunca estou só
Tenho a minha solidão

Quando está no fundo da minha cama
Ela ocupa todo o espaço
E passamos largas noites
Só os dois face a face
Não sei mesmo até onde
Irá esta cúmplice
Deverei tomar-lhe o gosto
Ou reagir ?

Não, eu nunca estou só
Tenho a minha solidão

Com ela, aprendi tanto
Que até verti lágrimas
E se por vezes a repudio
Ela nunca desarma
E se prefiro o amor
Duma outra cortesã
Ela será no meu último dia
A derradeira companheira

Não, eu nunca estou só
Tenho a minha solidão

Georges Moustaki em tradução livre

agosto 23, 2005 9:22 da tarde  
Blogger Maria Manuel said...

Resta saber se a fatalidade é ter sempre a solidão por companheira, se sentir inevitavelmente o impulso de lhe fugir…

agosto 31, 2005 12:51 da tarde  
Blogger Manuel said...

Eu prefiro a outra versão, depois de nos darmos ficamos maiores e mais fortes.

setembro 05, 2005 7:20 da tarde  
Anonymous mónica said...

pois é manuel, e ainda mais bonitos, mais simpaticos, mais distraídos, mais quentinhos!

setembro 26, 2005 9:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home